“Não tenha medo.”

Depoimentos

“E se dormires?
E se dormindo sonhares?
E se, em teus sonhos
Subires ao céu?
E ali colheres uma bela e charmosa flor
E se, ao despertares
Tiveres essa flor na mão
Então, que sucederia?”

Samuel Taylor Coleridge era um romântico poeta inglês e interpretou a “flor” como a nossa vida. Nossa passagem pela Terra. Estando ao lado de pessoas que se encontram na terminalidade, partindo dessa vida, isto me ajuda a dar-me conta da grande oportunidade que tenho de desfrutar das coisas simples da vida, de fazer o que estou fazendo, seja o que for, da melhor maneira possível. Me ajuda a ver a importância do amor, da generosidade, da paciência, das cores que me cercam, do perfume dos jardins. Me ajuda a entender que chegará o dia que eu mesma terei um encontro com minha própria vida. Isso me dá a oportunidade de querer fazer hoje o melhor. É um grande presente e por ele devemos agradecer a cada pessoa, cada acontecimento… pelo muito que nos ensinaram. Estar com “ele”, “ela” ao partir nos ajuda a fazer a paz com a morte, com nossa própria morte. Nos ajuda a sermos melhores pessoas, mas conscientes da passagem do tempo, da futilidade das coisas e das atitudes egoístas.
Aprendemos a ver o amor, as muitas caras do amor em coisas tão cotidianas e encontrar amor, força e beleza na morte. Cuidemos desta flor, com grandeza de alma, chamada vida.

(Testemunho de uma voluntaria em Cuidados Paliativos).